O poder de uma “e-stória” bem contada!

“Era uma vez um rato, conhecido como Mickey Mouse. Nasceu em novembro de 1928 e de lá pra cá já viveu muitas aventuras”.

A invenção do personagem Mickey Mouse e suas histórias, fez com que Walt Disney se tornasse reconhecido ao redor do mundo.

Se preocupar apenas com o retorno do dinheiro investido pode tirar do seu radar a importância de se ter uma boa história para contar. Uma pesquisa realizada em 2014 pela OneSpot diagnosticou que 92% dos consumidores preferem marcas que contem histórias em suas campanhas ao invés daquelas que insistem apenas em vender.

Uma boa história está diretamente relacionada aos estímulos que você desperta ou não nas pessoas, ao entretenimento, a diversão e por consequência, agrega valores que trazem negócios.

“Um dia estávamos eu e João comprando pão quando encontramos um leão e…”.

um-dia-estavamos

Para pensar na sua marca e criar ao redor dela uma boa história algumas perguntas precisam ser respondidas:

  • Sua marca tem personagens importantes? (o dono não é necessariamente essa pessoa)
  • Ela já passou por alguma crise? “Viveu” em períodos marcantes da história?
  • A marca já percorreu um caminho considerável da Visão que possuí do seu futuro e isso vale ser contado?

Essas e outras respostas te auxiliaram aos poucos a criar histórias e que serão aprimoradas com o tempo.

Lembre-se, relevância no conteúdo para o leitor/ouvinte é fundamental: “relevante é importante, valioso, indispensável, precioso, profundo, marcante ou pertinente”.

A história tem que ser interessante para quem irá ouvi-la e não apenas para quem conta! #ficaadica

Boas histórias são compartilhadas!

boas-historias

Em um estudo apresentado pelo New York Times (The Psychology of Sharing ou a Psicologia do Compartilhamento) apresentou as 06 personas do compartilhamento online, ou dos que gostam de uma boa “e-stória”. São elas: os altruístas, os conectores, os seletivos, os “boomerangs”, os carreiristas e os descolados.

As diferenças entre um e outro os próprios nomes já trazem, mas e o que é que eles têm em comum? As quatro necessidades fundamentais do humano (segundo Trey Pennington):

  1. Ser ouvido;
  2. Compreendido;
  3. Ter importância;
  4. Se emancipar;

O mesmo estudo mostra que ao ser capaz de suprir uma dessas quatro necessidades, sua história será compartilhada por ao menos uma das 06 personas acima e o que é melhor, por tempo indefinido!

Hora da mão na massa!

hora-da-mao-na-massa

Mude a abordagem com o seu cliente, crie suas histórias e às deixe disponíveis na internet (Blog, portal, site). Aqui vão algumas dicas do que fazer:

  • Disponibilize sempre um formulário para novos cadastros (Opt-in), assim quem gostou ficará de ouvidos atentos ao que você tem pra dizer;
  • Divulgue por e-mail, afinal você estará contando uma “e-stória”;
  • No assunto, chame à atenção para sua história, estimule a leitura;
  • Seja direto no conteúdo do e-mail, mantenha o foco;

Agora é manter o ritmo, fazer o tráfego para o seu site acontecer e ganhar cada vez mais relevância no mundo digital!

Sejam histórias ou “e-stórias”, o importante é que no final todos sejam felizes sempre! =D

 

Referências

http://www.i-scoop.eu/content-sharing-storytelling/#more-943

https://www.onespot.com/blog/infographic-the-science-of-storytelling/

http://mundodasmarcas.blogspot.com.br/

http://canaltech.com.br/materia/empresas-tech/Conheca-a-historia-por-tras-das-logos-mais-famosas-do-mundo/

http://www.ignicaodigital.com.br/storytelling-como-uma-boa-historia-pode-inspirar-e-vender/

Avalie este artigo:
O poder de uma “e-stória” bem contada!
5 (100%) 9 votos

ATUALIZAÇÕES GRÁTIS

Cadastre-se abaixo para receber no seu e-mail artigos legais como este!

Gostou? Compartilhe:

Deixe seu comentário!